A GRANDE Tag Musical

Hi, Hey, Oi, Ciao, Bonjour … Halo My Friends

a-grande-tag

Depois de muito tempo, motivações e muita preguiça acumulada, resolvi gravar um vídeo de uma tag que fiz. A tag eu peguei do blog da Melina Souza pois achei ela muito fofinha e muito significativa pois: é música que estamos falando, e eu amo música.

Vou contar um pouco da minha história com música.

Meu pai é baterista e já foi músico, quando tinha seus 20 e poucos anos ele tocava numa banda na cidade onde foi criado: Videira. Minha mãe é/era pianista, pois por muito tempo tocou piano mas faz muito tempo que não toca também (agora ela está tocando pois temos um piano em casa e ás vezes ela vai lá). Minha vó tem um piano em casa devido a minha dinda, durante um tempo, ter tocado piano, e foi nesse piano que tudo começou.

Quando eu era pequena eu gostava muito de ouvir MPB pois era as músicas que meus pais ouviam, e gostava de ouvir meu pai tocar bateria. Um dia minha mãe estava tocando piano e começou a me ensinar, me dando algumas aulas, e foi ai que me interessei por música. Eu devia ter uns 7 anos de idade quando ela me ensinou onde ficava cada nota, e depois foi me ensinar minha primeira música: Capricho Italiano de P.I. Tchaikovsky, e foi assim que comecei a desenvolver esse amor pelo piano, porém eu não tinha piano em casa, então só podia tocar ele quando estava na casa da minha vó no Rio Grande do Sul. Então outra paixão veio: cantar.

Tudo começou com a série da Hannah Montana, eu realmente achava que um dia iria virar uma cantora ou que a Miley iria passar o legado dela para mim (nesses momentos que você fica pensando o que você tinha na cabeça, mas enfim) e com isso eu cantava todas as músicas com ela. Meu pai me deu meu primeiro microfone e meu primeiro pedestal e foi ai que eu comecei a cantar. E paralelo a isso surgiu a vontade de aprender inglês (pela paixão mesmo da música e da língua), que até hoje amo falar e ouvir a língua.

E com isso fui moldando um gosto meio brasileiro por causa do MPB, já que quando pequena ouvia Maria Rita, Tim Maia, Jorge Ben Jor, e comecei com Hannah Montana até se ramificar em diversos gêneros como: Rock, Pop, Jazz, um pouco de Puck, Reggae, Clássico, muito gêneros e foi assim que eu comecei na música. Ainda tenho sonho de cantar pelo menos uma vez cantar em bar, ou na rua mesmo, e de entrar num estúdio e gravar minha própria música.

Ahh, e outra, minhas primeiras aulas de piano vão ser esse ano, tudo que aprendi foi por conta própria (e olha que músicos já vieram aqui em casa e falaram que eu tenho futuro kkk), e foi tudo por eu ter ouvido para essas coisas, eu realmente prezo por um som bom, mesmo que custe mais caro. Nada adianta tem altos amplificadores, caixas e mesas de som se o som não sai nítido, claro e confortável. O volume pode sair super alto mas o som é ruim, é uma coisa que apavora a minha pessoa.

E esse ano quero aprender a tocar bateria e violão também.

Acho que isso é um pouco da minha história com a música, então vou colocar o vídeo aqui.

A GRANDE TAG MUSICAL

1. Gênero favorito?

2. Banda ou cantor(a) mais ouvido(a) no momento?

3. Música preferida no momento?

4. Três artistas favoritos?

5. Aquela banda para qual você sempre volta?

6. Trilha Sonora de filme favorita?

7. Música preferida de todos os tempos?

8. Último show que foi?

9. Música mais vergonhosa no computador, celular, itunes?

10. As três músicas mais tocadas de acordo seu player?

11. Que música sempre te faz sorrir?

12. Que música você ouve quando está triste?

13. Que música te faz dançar?

14. Bandas e cantores desconhecidos que você indica?

15. Letra ou citação preferida?

16. Que banda, cantor(a) ou música te lembra de alguma situação específica?

Um beijo, um queijo e um macarons para vocês.

Anúncios

Cidades de Papel(John Green)

Hi, Hallo, Hello, Ola, Oi… Halo my friends.

CidadesdePapel_livro

Faz pouco tempo que terminei de ler Cidades de Papel do John Green e digo que amei, amei, amei. O enredo, os personagens e o cenário fazem você viajar para os EUA e olha que legal: você não paga nada, nem sai do lugar( hehe), infelizmente.

Vamos a história. CONTÉM SPOILERS.

Quentin Jacobsen é um garoto em seu último ano do colegial, não é nerd e não é popular…apenas um garoto normal com sonhos normais. Um milagre ele carrega em suas costas desde pequeno, é vizinho de Margo Roth Spiegelman, simplesmente a garota mais legal da escola: não é linda(ou extremamente sexy) e não é normal, é louquinha de pedra. Quando os dois eram pequenos eles acham um morto dentro de um quarto no dia que estavam explorando, e desde então eles quase nunca mais se falaram.

Até que em uma noite, Margo Roth Spiegelman entra por sua janela vestida de ninja e propõe uma aventura. Ele, por ser apaixonado por ela aceita e os dois saem no carro da mãe de Q. Q não sabe bem o sentido desta “passeada” no meio da noite e logo descobre que terão que cumprir 11 coisas até o amanhecer do dia: dando tempo de irem ao colégio. Entre todas as tarefas estão: vingar o EX-namorado de Margo, vingar a amiga de Margo, arrombar carros conhecidos, entrar no Suntrust e o final… INVADIR O SEAWORLD.

No dia “seguinte”, Quentin conta para os amigos, Radar e Ben, a aventura que teve a noite. Todos acham o máximo e logo percebem que Margo não foi ao colégio,nem no outro dia, e todos começam a achar estranho e Quentin começa a tentar achar pistas para chegar até Margo. Pesquisa na internet, falta o dia da formatura e fica pensando nas palavras de Margo naquele dia no topo do Suntrust: “É uma cidade de papel. Quer dizer, olhe só pra ela(cidade), Q: olhe para todas aquelas ruas sem saída, aquelas ruas que dão a volta em si mesmas, todas aquelas casa construídas para virem abaixo. Todas aquelas pessoas de papel vivendo suas vidas em casas de papel, queimando o futuro para se manterem aquecidas. Todas as crianças de papel bebendo a cerveja que algum vagabundo comprou para elas na loja de papel da esquina. Todos idiotizados com  obsessão por possuir coisas. Todas as coisas finas e frágeis como papel. E todas as pessoas também.”, e de fato Quentin acha pistas e seus amigos (Ben,Radar e Lacey) ajudam-o a procurar pela última vez Margo…passando por portas retiradas do trinco, pesquisas no Omnictionary, livros…enfim. E depois de mais de um mês uma pista muda tudo.

Será que Margo é quem eles estavam pensando? Será que ela queria ser encontrada?

É uma longa viagem e um grande mistério com uma grande solução até a CIDADE DE PAPEL.

O livro é escrito estilo John Green e isso é o máximo…HIHI. Bem fácil de ler e terminar e muito envolvente. Quando eu terminei ainda fiquei pensando no livro.

Frase Marcante: É uma cidade de papel”.

You will go to the paper towns and you will never come back.

E preparem os corações!!! Ainda este ano vai haver o filme!!!!!! Com elenco já confirmado: Nat Wolff como Quentin e Cara Delevingne com Margo (maravilhosos, lindos, divos!!!) e data prevista é 16 de julho de 2015!.

Um beijo, um queijo, um presunto e um cookie para vocês!

A rotina do amor

hi,hallo,hello,ola,oi…Halo my friends

Bom sei que o assunto tão pouco tem haver com o blog,mas tem muito haver comigo. Quando falei de texto lindos falo destes que aqui deixarei. Escrevi uma crônica ano passado, de um dia que de fato aconteceu comigo e gostaria de partilhar aqui.

A rotina do amor

fonte:we heart it

Ela acordou violentamente suando como se não houvesse amanhã,aquilo tinha acontecido mas não era a realidade.O silêncio,a escola,as roupas eram reais,ela só queria um pouco de paz .E ele.Todos os finais de semanas eram assim,acordava de um sonho muito bom e chorava por não ser verdade.Era assim todo final de semana.

Todos os fatos eram reais em seu mundo mas no dele achava que era só armação.Queria,queria muito,mas isto era diferente.Lembrou-se de o quão ele estava perdido naquele dia,do meio sorriso que botou no canto de seus lábios;isto era verdade,perguntou se poderia sentar-se ao seu lado,ele como cavalheiro aceitou.

Estava nervosa,tremendo,com o coração acelerado,coisa que só acontecia quando estava ao seu lado,ou até mesmo quando falavam dele.O silêncio reinou,e os dois ficaram olhando,perdidos,para frente,enquanto na cabeça queriam falar algo,algo que pairou um dia no ar.Uma frase rolou solta:”Você viu meu irmão?Ele esta ali em cima?”, meio frustrada e confiante a menina respondeu um não.E novamente o silêncio instalou-se entre a atmosfera dos indivíduos.”O que você ainda está fazendo no colégio?” O menino perguntou com uma certa curiosidade,recebendo a breve resposta da garota  de que seu pai não queria lhe buscar,soou retardado,mas pelo canto dos olhos  viu,que um atrevido breve sorriso no canto dos lábios carnudos dele surgiu surpreendentemente.Estava começando a ficar vermelha,algo raro quando não junto a ele.Na sua cabeça queria pedir desculpas,pegar seu rosto e beijar suas bochechas,até então vermelhas,este era seu desejo.Não foi isso que aconteceu.”Eu preciso procurar meu irmão” o moreno comentou com indiferença.A ruivinha acastanhada se ofereceu pra ajudar olhando pra ele.O choque do encontro dos olhos foi muito bom,ele se perdeu nas palavras.”Eu a-acho que ele,ele está ali,ali na f-frente” apontando para cima,em algum lugar de seu corpo aclamava pra rir junto ao gesto,não foi isso que aconteceu.Voltou-se o breve silêncio.”Falô preciso procurar meu irmão!”.Ele deu uma última olhada pra ela,os olhares se cruzaram.Já era tarde demais.

Agora era como flashes passando pela mente,os celulares rodando nas mãos,os pés mudando de posição e então…Os olhares e sorrisos que os dois em algum momento apresentaram.Um espaço mínimo entre os dois corpos,um coração acelerado.A ruiva sabia que era amor.

Um beijo ,um queijo e um presunto para vocês.