Um conto de natal

Hi, Hallo, Oi, Ola, Cio, Bonjour … Halo My Friends

i know.png

Faltando exatamente meia hora para o natal, decidi fazer este pequeno conto de natal.

“Estava frio, muito frio, meus pés estavam congelando dentro do alto salto que estava utilizando, a neve lá fora me atraia de algum jeito, e fui porta afora. Mesmo com todo o frio possível sai na neve, coloquei um sobretudo por cima do shorts, camiseta e suéter de natal que estava usando, peguei um chocolate quente e saí pela porta de correr, um vento me atingiu. Sentei-me numa cadeira perto da porta, troquei os saltos por uma bota que havia deixado ao lado da porta e tomei meu chocolate quente.

Ouvi um barulho vindo do meu bolso, era o som do Star Wars como toque, e eu imediatamente já sabia quem era, “ele” estava me chamando novamente por uma conversa divertida que sempre tínhamos, a cada mensagem eu sorria, e mesmo sabendo que ele estava do outro lado do globo ele estava tão perto. Conversamos sobre pokémon e sobre Star Wars, eu inconscientemente sorria. E foi quando me chamaram para comer, mesmo sem fome eu fui, mas ao mesmo tempo não queria sair dali. O frio não estava me consumindo, e meu chocolate quente estava esfriando minhas mãos. Entrei com os sapatos na mão e logo tirei o casaco e calcei novamente os saltos. Comi bem pouquinho, e bem devagar, já que ainda estava falando com ele. Faltando alguns minutos para começar o natal lá no lugar que estava, ele me desejou um feliz natal. E falou que tinha que ir, fique triste, e continuei no meu canto. Falei para dormir bem e ter bons sonhos e me desejou o mesmo. Ele fora dormir e eu ainda estava numa festa que nem estava prestando atenção. A música tocava, as pessoas conversavam. E eu com o celular na mão e desenhando um pouco.

Na mesa tinha doces e salgados, e um bom jantar, mas não me importei de sair dos salgados e doces. Afinal para mim o natal significa a reunião da família e não muita comilança. Quando deu meia noite aqui no país, recebi uma mensagem. Meu coração acelerou, o sorriso brotara na minha cara, e minhas mãos estavam tremendo – e não era por causa do frio, mesmo que dentro de casa estivesse quente. Na mensagem continha um coração gigante e logo um ” I Know” que mesmo querendo falar “I Love You” respondi ” I Know” e mandei um coração novamente. Era nosso jeito de demonstrar o amor.”

Um beijo, um queijo e um feliz natal para vocês.

Anúncios

A rotina do amor

hi,hallo,hello,ola,oi…Halo my friends

Bom sei que o assunto tão pouco tem haver com o blog,mas tem muito haver comigo. Quando falei de texto lindos falo destes que aqui deixarei. Escrevi uma crônica ano passado, de um dia que de fato aconteceu comigo e gostaria de partilhar aqui.

A rotina do amor

fonte:we heart it

Ela acordou violentamente suando como se não houvesse amanhã,aquilo tinha acontecido mas não era a realidade.O silêncio,a escola,as roupas eram reais,ela só queria um pouco de paz .E ele.Todos os finais de semanas eram assim,acordava de um sonho muito bom e chorava por não ser verdade.Era assim todo final de semana.

Todos os fatos eram reais em seu mundo mas no dele achava que era só armação.Queria,queria muito,mas isto era diferente.Lembrou-se de o quão ele estava perdido naquele dia,do meio sorriso que botou no canto de seus lábios;isto era verdade,perguntou se poderia sentar-se ao seu lado,ele como cavalheiro aceitou.

Estava nervosa,tremendo,com o coração acelerado,coisa que só acontecia quando estava ao seu lado,ou até mesmo quando falavam dele.O silêncio reinou,e os dois ficaram olhando,perdidos,para frente,enquanto na cabeça queriam falar algo,algo que pairou um dia no ar.Uma frase rolou solta:”Você viu meu irmão?Ele esta ali em cima?”, meio frustrada e confiante a menina respondeu um não.E novamente o silêncio instalou-se entre a atmosfera dos indivíduos.”O que você ainda está fazendo no colégio?” O menino perguntou com uma certa curiosidade,recebendo a breve resposta da garota  de que seu pai não queria lhe buscar,soou retardado,mas pelo canto dos olhos  viu,que um atrevido breve sorriso no canto dos lábios carnudos dele surgiu surpreendentemente.Estava começando a ficar vermelha,algo raro quando não junto a ele.Na sua cabeça queria pedir desculpas,pegar seu rosto e beijar suas bochechas,até então vermelhas,este era seu desejo.Não foi isso que aconteceu.”Eu preciso procurar meu irmão” o moreno comentou com indiferença.A ruivinha acastanhada se ofereceu pra ajudar olhando pra ele.O choque do encontro dos olhos foi muito bom,ele se perdeu nas palavras.”Eu a-acho que ele,ele está ali,ali na f-frente” apontando para cima,em algum lugar de seu corpo aclamava pra rir junto ao gesto,não foi isso que aconteceu.Voltou-se o breve silêncio.”Falô preciso procurar meu irmão!”.Ele deu uma última olhada pra ela,os olhares se cruzaram.Já era tarde demais.

Agora era como flashes passando pela mente,os celulares rodando nas mãos,os pés mudando de posição e então…Os olhares e sorrisos que os dois em algum momento apresentaram.Um espaço mínimo entre os dois corpos,um coração acelerado.A ruiva sabia que era amor.

Um beijo ,um queijo e um presunto para vocês.